PAPANICOLAU

Respondemos com outra pergunta: você, mulher que lê este post, tem uma vida sexualmente ativa? Se a resposta for sim, esse é o principal motivo para realizar o exame. 


O objetivo do Papanicolau é detectar eventuais lesões características do Papiloma Vírus Humano (HPV, na sigla em inglês), transmitido especialmente em relações sexuais desprotegidas.

Essas lesões podem levar ao câncer de colo de útero, vagina, vulva ou ânus, se não tratadas. Por isso, a indicação é realizar o Papanicolau anualmente.

Em casos considerados suspeitos, o próprio médico que faz o exame também irá tirar um pedaço pequeno do tecido (biópsia) para uma análise mais aprofundada. O resultado mostra se a pessoa está infectada, qual o tipo de vírus e se a infecção está ativa, ou seja, produzindo lesões no colo do útero, vagina, vulva ou ânus.

O acompanhamento periódico, tanto pela consulta com o ginecologista, quanto pela realização do Papanicolau permitem a detecção precoce do HPV.

Estudos indicam que até 80% da população sexualmente ativa já teve ou ainda terá contato com um dos 140 tipos de HPV. Por isso, a vacinação antes do início da vida sexual é muito importante, especialmente entre os 9 e 13 anos.

Vale lembrar que ela é considerada tão segura quando a vacina da Hepatite B, por exemplo, e não possui o vírus ativo, ou seja, não há risco de se contrair a doença.

Tratamento

Quando a prevenção não foi possível, o tratamento pode ser medicamentoso ou, quando há uma lesão já estabelecida, a sua cauterização é recomendada. O objetivo é prevenir a evolução para o câncer e o contágio da doença.

O acompanhamento periódico, tanto pela consulta com o ginecologista, quanto pela realização do Papanicolau permitem a detecção precoce do HPV, que é a doença sexualmente transmissível (DST) mais frequente do ser humano.

Se você leu até aqui é porque está interessada no tema. Quando foi que realizou o seu último check-up? Cuide da sua saúde, ela vale ouro!


Artigo publicado em 2016 e atualizado em 2019.


Agendamento


Centros_0010_Mulher.png


LEIA MAIS:

Colposcopia: o que toda mulher precisa saber