Logon
Blog

Endocrinologista: qual sua função e as principais doenças tratadas

A especialidade médica atua na intervenção de distúrbios hormonais

​Os hormônios estão em atividade em todo o nosso corpo. Quaisquer alterações neles podem gerar manifestações que devem ser investigadas por um profissional especializado. Queda de cabelo, alteração na menstruação, oscilações bruscas de peso, alterações ósseas, diminuição da libido ou da disposição, entre outros sinais, podem ter causas hormonais. Esses são alguns dos indícios de que alguma coisa não está funcionando bem com eles. Nessa hora, o melhor profissional para avaliar o quadro é o endocrinologista. Vamos entender melhor o que ele faz e quando procurá-lo?

Qual a função do médico endocrinologista? 

O endocrinologista diagnostica e trata doenças relacionadas com os hormônios e o metabolismo. Como são muitas, suas atribuições envolvem cuidar desde doenças ósseas, como osteoporose, até diabetes e obesidade, passando por tumores que produzem hormônios em excesso e doenças autoimunes que afetam sua formação. 

Quando se deve procurar um endocrinologista?

A consulta com um endocrinologista é necessária quando alguns sintomas surgem e apontam distúrbios hormonais. Confira a lista:

  • Cansaço excessivo

  • Excesso de pelos em mulheres

  • Dificuldade em ganhar ou perder peso

  • Glicemia ou colesterol alterado em exames

  • Qualquer alteração hormonal em exame pedido por outro especialista

  • Mudanças nos ciclos menstruais

  • Sede excessiva

  • Puberdade precoce ou retardada

  • Crescimento da tireoide

  • Sintomas de andropausa ou menopausa


Alguns desses sintomas estão associados a patologias como: 

Quais as principais doenças tratadas?


 ​1. ​Diabetes

O diabetes é uma patologia comum que atinge cerca de 400 milhões de pessoas em todo o mundo. Seu diagnóstico acorre por causa do nível de glicemia elevada. O diabetes mais comum é o tipo 2, que está associado à obesidade e à resistência à ação do hormônio insulina. Em geral, preconizam-se tratamentos orais ou injetáveis com o objetivo de reduzir essa resistência, assim como perda de peso e dieta, que têm papel fundamental na abordagem da doença. Já o diabetes tipo 1, geralmente diagnosticado na infância ou adolescência, está associado à redução da quantidade de insulina circulante e necessita de tratamento com insulina. Ambas variantes requerem acompanhamento clínico contínuo para definição de tratamento e acompanhamento de possíveis complicações.

2. Obesidade ​

​Considerada uma pandemia pela Organização Mundial da Saúde (OMS), a obesidade é o resultado final de um desequilíbrio entre o consumo e o gasto calórico, e o tratamento da patologia é muito mais difícil do que dita o senso comum. Além de dieta e exercícios, o endocrinologista avaliará os danos da obesidade sobre o corpo e poderá indicar a prescrição de medicamentos, cirurgia bariátrica e manter um acompanhamento para melhores resultados. 

3. Colesterol alto

O colesterol alto está relacionado com maior risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares. O endocrinologista poderá ajudar na definição da melhor conduta terapêutica e determinar se há necessidade de tratamento medicamentoso, além da dieta, levando em conta não apenas o nível do colesterol, mas o risco cardiovascular geral.  

4. Disfunções na tireoide

As alterações da tireoide estão entre as causas mais comuns de doenças endocrinológicas. O hipotireoidismo se refere à redução da produção de hormônios (em geral, a condição está associada a cansaço excessivo, queda de cabelo, indisposição etc.), enquanto no hipertireoidismo, pelo contrário, o que predomina é o excesso de hormônios (normalmente apresenta sintomas como perda de peso, taquicardia e sudorese). Nódulos tireoidianos encontrados à palpação também necessitam de avaliação cuidadosa, e é o endocrinologista que também decide sobre o tratamento de cânceres na glândula.  

5. Andropausa e menopausa

A menopausa pode ser um momento de muitos sintomas físicos e psíquicos nas mulheres e um endocrinologista pode fazer uma avaliação dos riscos e benefícios da reposição hormonal e dar orientação quanto às possíveis mudanças. Em homens, a redução dos níveis de testosterona pode ocorrer em fases variadas da vida, e o diagnóstico e a necessidade de tratamento são atribuições do especialista.

6. Osteoporose

As alterações ósseas​ também são incumbência do endocrinologista, pois há hormônios que controlam nossos níveis de cálcio. O médico pode diagnosticar doenças que causam a osteoporose, assim como tratá-las, mesmo quando não há uma causa secundária.

7. Alterações de crescimento e puberdade em crianças e adolescentes

O endocrinologista investiga as causas de baixa ou alta estatura e puberdade precoce ou atrasada, faz o acompanhamento desses pacientes e prescreve um tratamento caso haja necessidade. 

​8. Outros

Segundo o Dr. Bruno Halpern, endocrinologista do Hospital 9 de Julho, “como pontuamos anteriormente, algumas disfunções na produção hormonal geram sintomas prejudiciais e incômodos aos pacientes, como queda ou excesso de pelos, aumento do colesterol e redução da libido. Tanto a investigação como o tratamento, em caso de confirmação de alteração hormonal ou metabólica, podem ser realizados pelo profissional", explica.

O que falar na primeira consulta com o endocrinologista?

De acordo com o médico, leve todos os seus exames recentes para avaliação, inclusive os de imagem da glândula mais antigos, se houver. O paciente deve relatar todos os sintomas ao especialista, bem como as alterações pelas quais está passando. Vale ressaltar que todas as dúvidas do paciente ou de seu familiar devem ser tiradas no momento da consulta para que o tratamento não seja prejudicado.

​​Agendamento​​​​

​​Para marcar consult​as e exa​mes, ligue para 11 3147-9430.​​​​​


​ 


Veja mais

Nosso site usa cookies para melhorar a navegação. Conheça o nosso Portal de Privacidade .