Logon
Blog

Câncer de bexiga: sintomas, causas, diagnóstico e tratamento

O câncer de bexiga é fruto do crescimento de células malignas na parede do órgão.

​​​​​​​​​​​​O câncer de bexiga é fruto do crescimento de células malignas na parede do órgão. De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca), estima-se o surgimento de 7.590 casos em homens e de 3.050 em mulheres desse tipo de câncer no Brasil para cada ano do triênio 2020-2022, o que corresponde a um risco estimado de 7,23 novos diagnósticos a cada 100 mil homens e 2,80 para cada 100 mil mulheres.

Nesta edição, entenda o que é a doença, quais são seus fatores de risco, sintomas e formas de tratamento. Quem explica o assunto é o Dr. Carlos Dzik, diretor médico da Dasa Oncologia – Regional de São Paulo, especialista em câncer urológico. Saiba mais! ​

O que é câncer de bexiga?

 

O câncer de bexiga é um tumor maligno que nasce nas células de revestimento interno do órgão, o que chamamos de mucosa da bexiga. Trata-se de um carcinoma que pode ser superficial se não atingir as camadas mais profundas desse tecido ou profundo se afetar as camadas mais profundas em direção à parte externa do órgão, que chamamos de camada muscular da bexiga.

De acordo com o Dr. Carlos Dzik, “entre os principais fatores de risco estão a idade, a raça e certos hábitos de vida. Ou seja, homens brancos com idade mais avançada têm mais chances em desenvolver a doença. Em relação aos hábitos de vida, o tabagismo intenso pode aumentar muito a probabilidade de desenvolvimento da condição – de 50% a 70% dos casos estão associado ao hábito de fumar".


Câncer de bexiga: sintomas da doença


Os sinais da presença de câncer de bexiga podem ser confundidos com outras doenças do sistema urinário. Embora, na maior parte das vezes, esses indícios não sejam indicativos de câncer, certos distúrbios nessa região devem ser logo investigados. Os principais sintomas de câncer de bexiga são:

▪ sangue na urina (hematúria);

▪ dor ao urinar (disúria);

▪ vontade frequente de urinar, mas sem conseguir.​

O diagnóstico precoce do câncer de bexiga, com sua detecção na fase inicial, aumenta as chances de sucesso do tratamento. A investigação pode ser realizada por meio de exames clínicos, laboratoriais ou radiológicos em quem tem sintomas que possam sugerir a presença da doença ou como rastreamento para quem faz parte de grupo de risco.


Câncer de bexiga tem cura?


O câncer de bexiga pode ter cura, sobretudo quando identificado em fase mais superficial e inicial.


Quais são os tipos de câncer de bexiga?

 

Existem diversos tipos de câncer de bexiga, entre os quais estão:

 

▪ carcinoma de células de transição – representa a maior parte dos casos de desse tipo de câncer. Surge exatamente nas chamadas células transicionais, que estão em íntimo contato com a urina;

 

▪ carcinoma de células escamosas – pode surgir na presença de inflamações constantes da bexiga; por exemplo, em pacientes que usam cateter no órgão por um longo tempo para facilitar a diurese, ou então, mais tipicamente, em pacientes que habitam regiões do mundo em que é comum infecção crônica pelo parasita chamado trypanosoma haematobium.

 
▪ adenocarcinoma – é uma variante mais incomum ainda e de pior prognóstico e menor chances de cura; frequentemente se apresenta na forma da doença mais avançada.

 

Qual a causa do câncer de bexiga?

 

O fator mais preponderante para o desenvolvimento do câncer de bexiga é o consumo de tabaco. No passado, certas medicações anti-inflamatórias tinham a capacidade de causar câncer de bexiga. Desde que tiraram esses fármacos do mercado (por exemplo, a fenacetina), esse agente do câncer de bexiga praticamente desapareceu.

 

Câncer de bexiga em idosos: como diagnosticar?


A terceira idade é a faixa etária de maior incidência para o câncer de bexiga, tanto no homem como na mulher, sobretudo acima da sexta década de vida. O diagnóstico se faz como mencionado anteriormente, com base na suspeita gerada pelo aparecimento dos sintomas típicos da condição.

 

O Dr. Carlos Dzik explica: “A partir daí se faz, em geral, uma ultrassonografia na região da pelve e da bexiga. Quando ocorre a suspeita pelos achados observados no ultrassom, se procede a uma biópsia do tumor, com a realização de uma cistoscopia e coleta de material para ser analisado no laboratório. Esse exame anatomopatológico define o diagnóstico de câncer."

 ​

Qual é o tratamento indicado para o câncer de bexiga?

 

A prescrição terapêutica para o câncer de bexiga varia de acordo com o grau da doença. Pode ter indicação cirúrgica, que é de três tipos: ressecção transuretral (remoção por via uretral), cistectomia parcial (retirada de parte da bexiga) ou cistectomia radical (remoção completa da bexiga).

 

O Dr. Carlos Dzik diz ainda: “Além disso, a radioterapia também pode ser adotada em tumores com o objetivo de preservar a bexiga. Juntamente com a opção de cirurgia se faz quimioterapia com ou sem o apoio da imunoterapia. Quando o tratamento de escolha é a radioterapia, costuma-se utilizar também quimioterapia em dose baixa, semanal, para maior eficácia no efeito da radioterapia."

 

Nos tumores superficiais de bexiga, no caso das variantes mais graves, é indicada a utilização de medicamentos – terapia com BCG, por exemplo – dentro da bexiga para evitar sua recorrência.

 

Leia mais sobre outros assuntos relacionados com o tema: cirurgia urológica, câncer de próstata e pedra nos rins​


Veja mais