Trauma em idosos já representa a quinta maior causa de mortes em pessoas com mais de 65 anos*. Esse dado é um alerta para redobrar os cuidados com os mais velhos. O envelhecimento traz uma série de alterações físicas, químicas e psíquicas que podem facilitar ou agravar o trauma.

Quando a idade avança, há uma maior propensão ao aparecimento de doenças crônicas, que precisam de um tratamento medicamentoso contínuo. Por isso, ao socorrer pessoas idosas, é fundamental informar ao médico quais são os remédios de uso contínuo e as doenças em tratamento. Essas orientações são essenciais para que a equipe defina qual o procedimento mais indicado para o paciente.

De acordo com o médico do Centro de Trauma do H9J, Dr. Renato Poggetti, alguns medicamentos podem alterar a coagulação do sangue e mesmo se o trauma for pequeno, ele pode sangrar muito mais do que o habitual.

“Nosso organismo tende a compensar um sangramento aumentando a frequência cardíaca, porém medicamentos para tratamento de pressão alta podem impedir essa reação natural. O idoso, independentemente do tipo e gravidade do trauma, tem de ser atendido imediatamente em um hospital. Mesmo que não haja uma lesão aparente, ela pode ser interna, o que torna o diagnóstico mais difícil”, explica o médico.

Quedas são comuns em pessoas mais velhas e podem levar a fraturas de difícil tratamento, como as de quadril e de fêmur, comprometendo a qualidade de vida desses indivíduos. Por conta disso, os cuidados pós-trauma são fundamentais. Fisioterapia, exercícios físicos e até uma dieta saudável devem acompanhar as recomendações do médico.

Estes acidentes podem acontecer também dentro de casa, mas é possível evitá-los. Veja algumas dicas:

  • Tapetes e carpetes soltos devem ser retirados ou trocados por modelos emborrachados;
  • Opte por comprar sapatos antiderrapantes;
  • Se subir escadas for inevitável, coloque corrimão para apoio e adesivos sinalizando os degraus.
  • Barras de apoio devem ser colocadas ao lado do vaso sanitário, que não pode ser muito baixo, e uma cadeira de plástico e resistente deve ficar ao alcance do idoso para ajudá-lo durante o banho.

*(Pre-hospital trauma Life Support, NAEMT and American College of Surgeons – Committee Trauma. Editora Elsevier Mosby Jems, 2011)