Você já ouviu falar em condiloma acuminado? Apesar do nome complicado, o condiloma nada mais é do que as verrugas genitais que surgem em homens e mulheres portadores do HPV.

É uma doença bastante frequente, mas que recentemente acendeu um alerta nos agentes de saúde: em 2016, o brasil atingiu a marca de 10 milhões de infectados! Estima-se que oito em cada dez pessoas em idade sexualmente ativa já entraram ou entrarão em contato com o papilomavírus humano (HPV).

Uma das formas mais usuais de detecção do hpv é justamente por meio dos condilomas, as lesões aparentes da doença. Por isso, explicaremos um pouco sobre eles e sobre como tratá-los.

O contágio acontece durante as relações sexuais sem proteção e do contato com o sangue de pessoas contaminadas. É importante saber que mesmo o contato da pele pode possibilitar a transmissão do vírus, ou seja, práticas sexuais que não envolvam a penetração também favorecem a propagação da doença.

Outro ponto importante: o compartilhamento de roupas íntimas, toalhas, vasos sanitários, banheiras, saunas e instrumentos ginecológicos e sexuais causa a transmissão do vírus da mesma forma. Além disso, mulheres grávidas contaminadas podem transmitir o hpv à criança pela corrente sanguínea e pelo leite materno.

É verdade que o vírus não escolhe idade nem sexo, mas os gráficos de contágio mostram índices elevados para pessoas entre 14 e 60 anos, faixa etária que marca a ascensão da sexualidade e o início de seu declínio.

Sintomas do condiloma

A verruga genital é discreta e não gera sintomas iniciais. Conforme seu tamanho aumenta, pode causar coceira, queimação e o surgimento de novas verrugas.

Essa é uma lesão que parece com pontos planos ou em formato de cúpula (uma leve ponta arredondada) com coloração rósea, avermelhada, marrom ou acinzentada. Quando não tratada, ele pode crescer e mudar de características. Além disso, alguns condilomas podem ser úmidos ou ásperos ao toque.

Como é feito o diagnóstico?

As verrugas genitais podem ser diagnosticadas a partir de:

  • Teste de ácido acético (uma solução ácida é depositada sobre a verruga, mudando sua coloração);
  • Biópsia;
  • Papanicolau;
  • Colposcopia

Vale ressaltar que os dois últimos são feitos apenas em mulheres, afinal, são exames voltados para a observação do colo do  útero e do canal vaginal.

Como se prevenir contra o hpv e as verrugas anogenitais? Quais os tratamentos?

Existem dois modos muito eficazes de evitar as lesões causadas pelo hpv. O primeiro é a proteção durante as relações sexuais. Lembre-se sempre de que a camisinha não é apenas um método contraceptivo, é uma forma de resguardar o organismo contra doenças sexualmente transmissíveis, tanto as mais simples quanto as mais severas.

A segunda forma de prevenção é tomar a vacina contra o hpv.

Já o tratamento é feito com medicamentos imunomoduladores (que fortalecem o sistema imunológico do paciente, atacando o condiloma), agentes destrutivos e medicações tópicas antimitóticas (que inibem a proliferação e matam as células infectadas pelo hpv).

Os principais tratamentos destrutivos são a crioterapia (queimar a verruga com nitrogênio líquido), a cauterização com bisturi elétrico, cauterização química com ácido tricloroacético, laser ou mesmo cirurgia de remoção.

Se a doença não for identificada e tratada, pode evoluir para um câncer. Existem diversos tipos de hpv e alguns estão diretamente relacionados ao surgimento de tumores no útero, na vulva, no pênis e nos testículos. Tratar o papilomavírus pode ser a chave para evitar um enorme problema de saúde no futuro.

Com todas essas informações em mãos, vale a pena se programar e consultar um médico para tirar suas dúvidas. É melhor receber o tratamento adequado e ser atendido por um profissional capacitado.


clique aqui​