O câncer de mama é uma doença muito heterogênea, isso faz com que os tratamentos sejam diferentes para cada paciente, de acordo com idade, com as características biológicas, com o tamanho e localização do tumor.

Os principais tratamentos são:

  • cirurgias e radioterapia (para o controle local e regional da doença);
  • quimioterapia e hormonioterapia (tratamento sistêmico);
  • e as mais novas terapias alvos para tumores que expressam fatores de maior risco para a paciente.

A boa notícia é que a evolução no tratamento é perceptível e concreta. Hoje temos cirurgias cada vez menos invasivas, com menos mutilação, além de quimioterápicos e radioterapia mais adequados à cada paciente com menos efeitos colaterais.

Para todo este conjunto de ações – do rastreamento ao tratamento – é preciso trabalhar em equipe multidisciplinar de médicos, enfermeiras, fisioterapeutas e psicólogos, com educação continuada.

Detecção precoce

As chances de cura são reais e a principal medida é a descoberta precoce. Além de uma chance muito maior de cura, o diagnóstico precoce resulta em um tratamento muito menos agressivo para a paciente. As principais formas de se detectar o tumor são exames de imagem como mamografia, ultrassonografia e ressonância magnética. Saiba mais sobre a importância dos exames.

{{cta('93bc5525-eaf6-45bf-bd26-23a69fe0cb7c')}}