Pessoas que sofrem de gota são aquelas que têm elevada taxa de ácido úrico no sangue e, por isso, começam a desenvolver episódios de inflamação articular recorrentes.

Para entender melhor, precisamos antes entender o que é o ácido úrico: trata-se de uma substância que se forma no sangue quando o organismo processa uma proteína chamada purina, que tem origem no processo de degradação de células mortas e também presente em diversos alimentos.

A alteração do ponto de solubilidade dos fluidos pode favorecer a formação de cristais de ácido úrico e a sua precipitação, em geral no espaço sinovial das articulações.

Estes cristais são considerados corpos estranhos pelo organismo que, por isso, responde com uma reação inflamatória.

A gota é um distúrbio do metabolismo e o uso de algumas medicações (como diuréticos) e a presença de certas doenças pode exercer efeito desencadeante.

Sintomas

A maioria dos pacientes de gota é formada por homens adultos. Entre os sintomas, os pacientes costumam relatar inchaço e dor no dedão do pé, além de em outras articulações.

Diagnóstico

O diagnóstico é feito por avaliação clínica e sua confirmação pode ser feita pela punção da articulação acometida com análise do líquido retirado em microscópio.

Embora não exista cura definitiva para a gota, a doença precisa ser tratada. Os métodos podem incluir dieta e medicamentos com o objetivo de diminuir as taxas de ácido úrico no sangue.

Durante as crises podem ser administrados remédios como analgésicos, anti-inflamatórios e corticoides.

Alimentação

Quem sofre com o problema deve adotar alguns cuidados específicos com a alimentação. O primeiro deles é evitar alimentos que aumentem a concentração de ácido úrico no organismo. Por isso, é preciso evitar alimentos embutidos, bebidas alcoólicas, frutos do mar e alguns peixes com maior concentração de gordura.

Por outro lado, alguns alimentos ajudam a combater o problema, devido a seus poderes nutricionais. Alguns exemplos são: cenoura, laranja, limão, cebola, alho e sementes de abóbora.

Saiba mais sobre a doença no site do H9J