Não é novidade que a prática de exercícios físicos regulares e uma alimentação balanceada são fundamentais para uma vida mais saudável. O curioso é pensar que, atualmente, tem sido difícil fazer uma refeição balanceada e ainda arrumar tempo para se movimentar.

Tem gente que chega a desejar que o dia dure mais algumas horas para conseguir encaixar a academia na agenda ou preparar um almoço mais saudável. A verdade é que se o dia fosse mais longo, você provavelmente trabalharia mais e continuaria adiando essas tarefas.

Há uns 30 anos, não era tão difícil adotar uma alimentação saudável e praticar atividades físicas. As pessoas caminhavam mais, passavam menos tempo sentadas e não contavam com tantas opções de comida industrializada, que dizem tornar a vida mais “prática”.

Apesar de toda a praticidade a nosso alcance, substituímos bons hábitos de gerações anteriores por alimentos congelados sem nenhum valor nutritivo.

Se, por um lado evoluímos, por outro, regredimos e agora estamos reaprendendo a importância de adotar hábitos da rotina dos nossos pais e avós.

O trunfo dos dias de hoje é ter melhor acesso a informações e especialistas de saúde e saber que é possível prevenir doenças, como diabetes, problemas cardiovasculares e do aparelho gastrointestinal. Assim, não há desculpas para não se cuidar ou deixar para depois a visita ao médico quando as dores de barriga são mais intensas, quando o refluxo dura mais de uma semana ou quando as dores de cabeça demoram a passar.

Gastrite

A gastrite, por exemplo, que acomete pelo menos 80% dos brasileiros em alguma fase da vida, é um problema que pode ser causado pelo estresse e pela má alimentação, que inflama as paredes do estômago. É tratável, mas também evitável.

A doença causa a sensação de queimação no estômago e um desconforto que pode durar muito tempo. Para identificá-la, é preciso fazer uma endoscopia. O exame consiste em introduzir uma sonda oral que analisa o aparelho gástrico. É com ele que o médico diagnostica se há gastrite e determina sua gravidade. 

O resultado da endoscopia é quase sempre certeiro e elimina a necessidade de outros exames. Com ele, o médico pode receitar o melhor tratamento medicamentoso, fazer as recomendações necessárias relacionadas à alimentação e ainda pedir que desacelere e adote atividades que ajudem a relaxar.

Tratamento

Quem é diagnosticado com gastrite precisa consumir alimentos menos ácidos e abolir do cardápio açúcar, fritura e bebidas alcoólicas, que podem agravar os sintomas. O ideal é dar preferência por alimentos que não sejam integrais, porque demandam mais energia do aparelho digestivo e podem irritar a mucosa do estômago, e investir em arroz branco, carnes leves grelhadas, hortaliças e legumes. 

Essa mudança na alimentação - acompanhada por exercícios físicos e outras atividades que contribuem para relaxar, como ler, ver filmes e até meditar - vai ajudar a mandar os problemas gatrointestinais para longe e ainda aliviar o estresse do dia a dia.

Quanto antes você adotar práticas como essas na sua rotina, melhor. À medida que a idade avança, o organismo fica mais suscetível a desenvolver problemas de saúde. Quem tem histórico familiar de problemas gastrointestinais - e também de câncer e de problemas cardíacos - precisa tomar ainda mais cuidado.

Além de adotar um estilo de vida mais “light”, precisa fazer exames preventivos regularmente a partir dos 25 anos. A boa notícia é que logo na primeira semana é possível sentir a resposta positiva do organismo aos novos hábitos. Afinal, como diz o ditado, é melhor prevenir, que remediar.

{{cta('f0144d4e-0595-4f1d-8dc6-2be1e25f2611')}}