Desde os anos 60, quando foi inventada, a pílula anticoncepcional tem sido companheira das mulheres. O contraceptivo oral contém hormônios que impedem a ovulação, essencial para que aconteça a gravidez. Quando foi criada, o medicamento era cercado de polêmicas e mitos, alguns que ainda insistem em aparecer. Muita coisa mudou de lá para cá. Se antes as mulheres reclamavam que a pílula podia engordar, hoje as disponíveis no mercado têm dosagens diferentes de hormônios que se ajustam ao corpo de cada uma.

“A pílula não é responsável por quilos a mais. Elas possuem características especificas, com dosagens hormonais de progesterona e estrógeno reguladas para cada organismo. Existe pílula para mulheres com taxa maior de hormônio masculino no corpo e até para aquelas que ficam mais inchadas durante a TPM”, explica a ginecologista do H9J, Dra. Renata Di Sessa.

Se o tratamento for feito conforme o indicado, ou seja, se a pílula é tomada todos os dias, com menos de 12 horas de atraso, as chances de engravidar são mínimas: beiram os 2%. Antibióticos, medicamentos neurológicos e álcool em excesso podem diminuir a eficácia do tratamento. É importante destacar que a pílula anticoncepcional não previne nem diminui as chances de contágio de Doenças Sexualmente Transmissíveis como a AIDS e HPV, por isso não se deve dispensar o uso da camisinha.

Há quem diga que quem toma pílula anticoncepcional não tem TPM, mas isso é mito. A Tensão Pré-Menstrual pode sim aparecer nos dias de “descanso” do uso do método, quando acontece uma queda brusca de concentração sanguínea dos hormônios sexuais. Neste caso, pode ser recomendável o uso contínuo da pílula, embora o tratamento deva ser sempre conversado com o médico ginecologista.

Devido a sua taxa hormonal, a pílula anticoncepcional também pode servir de tratamento para síndrome dos ovários policísticos e problemas de pele. “Apesar de parecer um método simples, possui contraindicações. Fumantes com mais de 35 anos, pessoas que tenham câncer vigente e doenças como trombose, trombofilia e lúpus não devem fazer uso do medicamento. Também é contra indicada para mulheres que estejam amamentando a pílula com estrógenos, que inibe a produção do leite. Contudo, as pílulas só com progesterona podem ser usadas”, alerta a médica.

Algumas mulheres podem sentir efeitos colaterais, entre eles dores de cabeça e enjoos. Se estes sintomas continuarem por mais de dois meses é preciso procurar o médico para que lhe seja recomendada outra pílula ou método.