O câncer de endométrio, também conhecido como câncer do corpo do útero,  é um dos tumores ginecológicos mais frequentes e tem maior incidência em mulheres acima de 60 anos que já estão na menopausa. O diagnóstico pode ser feito no início com acompanhamento periódico ao ginecologista para identificar os eventuais sintomas precocemente. 


Fatores de risco

  • Menopausa tardia
  • Obesidade
  • Uso de reposição hormonal
  • Diabetes
  • Síndrome do ovário policístico
  • Nunca ter tido filhos

Sintomas

  • Sangramento anormal
  • Sangramento entre as menstruações
  • Secreção aquosa ou com sangue muito claro
  • Dor pélvica
  • Dor durante a relação sexual 

Diagnóstico e tratamento 

Quando o diagnóstico é precoce existe até 80% de chance de remissão, mas depende de cada caso. O tratamento varia de acordo com o tipo e estágio da doença. A maioria das mulheres é diagnosticada nas fases iniciais e o tratamento geralmente é a retirada cirúrgica do útero, ovário e tubas. Outras opções são a radioterapia, quimioterapia e hormonioterapia. 

Atualmente, existem abordagens minimamente invasivas para tratar o câncer de endométrio. É o caso da robótica, que utiliza tecnologia como visualização do campo cirúrgico com alta resolução e em 3D. O resultado oncológico da técnica é o mesmo da cirurgia aberta e o pós-operatório tem menor risco de sangramentos e complicações, com a volta da paciente às atividades cotidianas bem mais rápida. 

Essa é uma doença com boas chances de tratamento para a maioria das mulheres. Por isso, você mulher, assim que perceber um sangramento vaginal, procure o ginecologista.