Criada em 1960, a pílula anticoncepcional é utilizada, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), por mais de 100 milhões de mulheres no mundo. Algumas dúvidas, no entanto, permanecem. Abaixo vamos responder algumas das principais questões sobre o assunto.

Que idade começar a tomar?

Não há idade certa para começar a tomar a pílula, mas a mulher precisa já ter iniciado seu período fértil, ou seja, já ter tido a primeira menstruação. A escolha do anticoncepcional adequado deve sempre ser feita junto com um médico.

Qual o anticoncepcional adequado?

Essa é uma questão que somente o seu médico pode responder. O anticoncepcional tem uma composição hormonal e, além da função de contraceptivo, tem outros efeitos no organismo. Por isso, histórico da família e da paciente e sintomas durante a Tensão Pré-Menstrual (TPM) e o período menstrual são muito importantes para definir a melhor medicação.

Todos têm a mesma composição?

Não. Os mais utilizados são compostos por uma combinação de progesterona e estrogênio, variando o tipo de cada um desses hormônios e a quantidade de uma para outra. Também existem pílulas somente de progesterona. Por isso, é tão importante procurar um médico para fazer a escolha correta.

Efeitos

O medicamento já se mostrou eficiente na melhora da acne e da TPM, na prevenção de câncer de endométrio, parte do tratamento de endometriose. No entanto, ela não é indicada para quem tem risco elevado de trombose, é hipertensa ou fumante.

Pílula pode ser uma grande aliada das mulheres; seu uso, no entanto, deve sempre ser feito com acompanhamento médico.

Quando já uso pílula ou outro método há anos preciso fazer pausas eventuais, para preservar a fertilidade?

Não. No primeiro mês após interromper o uso a mulher, geralmente já retoma os ciclos ovulatórios, que atinge a normalidade dentro de três meses após ela parar.

Faz mal bloquear a menstruação?

Não. Pode inclusive ser parte do tratamento de cólicas intensas e até endometriose ou apenas por comodidade. Mas esse bloqueio deve ser feito sempre com orientação médica.

Para concluir, a pílula pode ser uma grande aliada das mulheres. Seu uso, no entanto, deve sempre ser feito com acompanhamento médico. E, vale lembrar, o medicamento não previne Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs). Por isso, use sempre camisinha.

 

Artigo originalmente publicado em 2016 e atualizado em 2019.


Agendamento


Centros_0010_Mulher.png


LEIA MAIS:

TPM: conheça os sintomas e identifique irregularidades
O que é preciso saber sobre o uso do DIU?
Dor nas mamas? saiba quais são as causas