Conhecida pelos tremores involuntários, o Parkinson pode atingir 1% das pessoas acima dos 65 anos no mundo. Sua origem está, principalmente, na aceleração do envelhecimento dos neurônios ligados ao movimento, por isso é tão comum que estejam presentes sintomas como falta de equilíbrio e de coordenação motora, dificuldade na fala, constipação e rigidez muscular.

Hoje em dia, já temos uma importante arma a nosso favor: a informação. É por meio dela que podemos tomar uma atitude na prevenção dessa e de outras doenças cerebrais.

Veja algumas dicas para ajudar a prevenir o Mal de Parkinson:

  1. Atividades físicas: ajudam na oxigenação do cérebro, deixando-o mais ativo e facilitando a renovação dos neurônios;
  2. Alimentos antioxidantes: “abastecem” o organismo com substâncias importantes para o equilíbrio do corpo;
  3. Estímulos cerebrais: assim como os músculos, a mente também precisa ser estimulada. Estudar uma outra língua, ler frequentemente e desafiar o cérebro com tarefas que parecem difíceis como desenhar ou fazer um cálculo também são formas interessantes de estímulo.
  4. A convivência social é outra importante ferramenta para manter o cérebro sadio. Por isso, em nossas atividades no Centro de Longevidade realizamos encontros que estimulam a leitura, a memória e a sociabilidade dos pacientes.

Cirurgia

Uma opção para quem já desenvolveu a doença é a realização de uma cirurgia para estimular a restauração dos movimentos, que é feita com o paciente acordado. O médico introduz no cérebro um eletrodo de estimulação e, depois de três semanas, um neurologista faz a programação do aparelho. A cirurgia tem rápida recuperação e o paciente já sente uma importante melhora.

Neuroestimulação Profunda do Encéfalo

Conheça a técnica capaz de aliviar os sintomas do Mal de Parkinson. Eletrodos são colocados estrategicamente, de acordo com o quadro clínico do paciente, e funcionam ligados a uma bateria colocada na mesma região que um marca-passo para o coração.