Para quem não sabe, hepatite é, na verdade, um termo genérico para inflamações no fígado. Pode ter várias causas, como álcool ou medicamentos. Alguns vírus também podem causar hepatite, como o vírus da hepatite A, para o qual existe vacina.

Em São Paulo, em 2017, observou-se um aumento nos casos de hepatite A em homens, boa parte deles, que fazem sexo com homens e que possivelmente adquiriram a doença no contato sexual

Por isso, produzimos esse conteúdo especialmente para reunir informações sobre a hepatite A e sobre as formas de evitar a doença.

Como se pega hepatite A?

A hepatite A é transmitida pela via oral-fecal: vírus excretados nas fezes, se levados à boca, seja através de alimentos mal higienizados, água contaminada ou no sexo oral e anal, podem infectar pessoa susceptível (não vacinada ou que nunca tenha tido contato com hepatite A).

Para evitar a transmissão de hepatite A, recomenda-se:

Cuidado com o que se ingere:

  • Lavar mãos com água e sabão ao manusear alimentos, antes das refeições e após usar o banheiro;
  • Consumir água potável;
  • Lavar os alimentos crus antes de consumi-los.

Vacinação:

  • Disponível no SUS para crianças, portadores de hepatites crônicas e HIV;
  • É altamente eficaz, com mínimos efeitos adversos.

Cuidados na atividade sexual:

  • Lembrar que sexo oral/anal pode ser via de infecção;
  • Lavar com água e sabão as mãos e região anal e genital antes do sexo oral;
  • Lavar as mãos com água e sabão após manipular região anal;
  • Barreira plástica no contato da boca com ânus pode proteger - “dental dam” ou camisinha adapatada, ou ainda filme plástico, veja como: no sexo oral, estique a camisinha aberta na região anal (ou vaginal).

Quais os sintomas da doença?

A pessoa infectada pode não apresentar nenhum sintoma e sequer percebeu que teve hepatite A. Outras pessoas podem se queixar de cansaço, enjôos, vômitos, falta de apetite, notarem pele e olhos amarelados, urina escura. O período entre o contato e sintomas é em geral de 28 dias, mas pode variar de 2 a 7 semanas. Os sintomas podem persistir por 2 meses, mas algumas pessoas podem ter curso mais prolongado ou ainda voltarem a piorar depois de terem melhorado.

Existe cura para a hepatite A?

Sim, a hepatite A tem cura espontânea e não requer tratamento específico, apenas suporte e sintomáticos.

Diferentemente dos tipos B e C da doença, por exemplo, ela não se torna um problema crônico, e os quadros graves, com hepatite fulminante, são incomuns.

Recomenda-se, durante a doença:

  • Descansar para reduzir os efeitos da fadiga (ainda assim, não é preciso ficar em repouso absoluto);
  • Interromper o consumo de álcool ee medicamentos que possam agravar a inflamação no fígado;
  • A alimentação deve ser aquela que o paciente tolerar, em geral refeições mais leves.

 

{{cta('93bc5525-eaf6-45bf-bd26-23a69fe0cb7c')}}