O verão é uma época incrível para se divertir, viajar e aproveitar a companhia dos amigos e da família sob o sol, de preferência à beira da praia ou da piscina, não é mesmo?

Mas, com ele chegam as famosas doenças de verão, que em sua maioria não representam grandes riscos, mas merecem atenção.

Desidratação

Praticar esportes ou simplesmente ficar exposto ao sol exigem cuidados que vão além do protetor solar. Enquanto transpiramos, nosso corpo perde água e, assim, fica vulnerável. A falta de uma hidratação adequada pode gerar pequenos incômodos, como lábios e pele ressecados, que podem evoluir para tontura, vômito e irritabilidade, se a pessoa não tomar as devidas providências.

O recomendado é ingerir bastante água tratada (mineral, filtrada ou fervida) e outros líquidos capazes de recuperar nossa hidratação, como sucos naturais e água de coco. Vale lembrar que as bebidas alcoólicas aumentam a diurese e, portanto, não são indicadas para hidratação. Entre um drinque e outro, mais água!

Insolação

A insolação é um distúrbio no controle da temperatura corporal provocado depois de uma longa exposição ao sol. O resultado é um mal-estar geral, seguido de problemas como falta de ar, enjoo, vômito e desmaios.

Para evitar a insolação, o melhor é proteger-se do sol, principalmente entre 10h e 16h. Aplicar filtro solar com frequência e hidratar-se também é fundamental.

Doenças transmitidas por mosquitos

Com o aumento das chuvas, os insetos se reproduzem mais facilmente. Isso significa que as chances de transmissão de doenças como dengue, zika vírus e chikungunya podem aumentar.

Por isso, não mantenha focos de água parada em sua casa. É neles que os mosquitos procuram abrigo para seus ovos. Use repelentes, mosquiteiros, telas nas janelas para afastar os mosquitos.

Se notar alguns sintomas como dor no corpo, inchaço nas articulações, manchas coceiras e febre procure imediatamente um médico.

Intoxicação alimentar

As altas temperaturas são um perigo para a alimentação. Os produtos estragam mais rapidamente e, muitas vezes, de maneira imperceptível. A consequência disso é conhecida: vômito, diarreia, mal-estar.

A intoxicação pode ser leve ou intensa, sendo que a última pode levar a uma internação para reposição de líquidos e nutrientes.

Redobre cuidado com higiene das mãos ao manipular alimentos, acondicione-os adequadamente e sob refrigeração quando indicado, atente à data de validade e confie no faro: odor ou aspecto diferente, melhor descartar!

Otite externa

A otite externa é a inflamação do canal auditivo. No verão, ela é bastante comum pela exposição frequente à água, que retira a camada de cera protetora do ouvido e possibilita que fungos e bactérias se instalem.

O tratamento da otite de verão pode ser feito com analgésicos via oral, antibióticos e antifúngicos. Quando houver coceira intensa ou secreção, é necessário eliminar os resíduos do local para diminuir a pressão sobre o tímpano. Procure sempre orientação médica.

Micoses

As micoses, assim como a conjuntivite e as viroses, são comuns na estação mais quente por causa do calor e da umidade.

Para evitá-las, lembre-se de secar bem a pele, principalmente nas regiões de dobras e nos genitais, manter roupas e toalhas secas e evitar uso de calçados mal ventilados.

A prevenção é fundamental! Caso você apresente qualquer um dos sintomas que citamos aqui, é muito importante procurar um médico e não se automedicar.

{{cta('06e86e7e-0e84-4763-8de6-8a0a3936ee02')}}